Inspiração

+| O caminho serve essencialmente para adquirir novas aprendizagens sobre as adversidades e as vivências existentes no mundo |

Ítaca

“Se partires um dia rumo à Ítaca Faz votos de que o caminho seja longo repleto de aventuras, repleto de saber. Nem lestrigões, nem ciclopes, nem o colérico Posidon te intimidem! Eles no teu caminho jamais encontrarás Se altivo for teu pensamento Se sutil emoção o teu corpo e o teu espírito. tocar Nem lestrigões, nem ciclopes Nem o bravio Posidon hás de ver Se tu mesmo não os levares dentro da alma Se tua alma não os puser dentro de ti. Faz votos de que o caminho seja longo. Numerosas serão as manhãs de verão Nas quais com que prazer, com que alegria Tu hás de entrar pela primeira vez um porto Para correr as lojas dos fenícios e belas mercancias adquirir. Madrepérolas, corais, âmbares, ébanos E perfumes sensuais de toda espécie Quanto houver de aromas deleitosos. A muitas cidades do Egito peregrinas Para aprender, para aprender dos doutos. Tem todo o tempo ítaca na mente. Estás predestinado a ali chegar. Mas, não apresses a viagem nunca. Melhor muitos anos levares de jornada E fundeares na ilha velho enfim. Rico de quanto ganhaste no caminho Sem esperar riquezas que Ítaca te desse. Uma bela viagem deu-te Ítaca. Sem ela não te ponhas a caminho. Mais do que isso não lhe cumpre dar-te. Ítaca não te iludiu Se a achas pobre. Tu te tornaste sábio, um homem de experiência. E, agora, sabes o que significam Ítacas.” Konstantinos Kaváfis


+ | O potencial de cada pessoa pode ser desenvolvido e pode contribuir para o desenvolvimento de outras áreas e até mesmo de novas descobertas pessoais |

Inteligências Múltiplas

Já se viveu numa época da história da humanidade que não era dada importância ao modo de com os seres humanos pensavam, agiam e/ou sentiam. Com a evolução dos equipamentos na área da medicina já é possível verificar as áreas do cérebro que estão ativadas, quando precisam realizar cálculos ou se deparam com alguma imagem ou pensamento onde as emoções afloram.

Sendo assim, o que muitos especialistas já sabiam e hoje tem-se a certeza, não existem duas pessoas iguais. Todos os indivíduos têm quocientes intelectuais diferentes: alguns são mais habilidosos na realização de cálculos, ao passo que outros possuem o dom para a arte, ou têm excelentes aptidões para a gastronomia, ou são ainda empreendedores de sucesso na agricultura. Agora pergunta-se: Como é possível existir tantas diferenças individuais quando o órgão responsável para estes comandos é o mesmo?

janela da vida - 01 - mar17

“Pessoas com características variáveis, como género e idade, revelam diferenças nas avaliações com neuroimagens – mesmo apresentando níveis similares de inteligência. Porém, estudos recentes demonstram que as diferenças individuais na estrutura e funções cerebrais relacionadas à inteligência são essenciais – e os últimos estudos expõem apenas a ponta do iceberg.

Pesquisas indicam que a nova definição de inteligência com base no tamanho de certas regiões cerebrais e na eficiência do fluxo de informações entre elas. Especialistas acreditam que, em breve, os exames de imagens do cérebro poderão vir a revelar a aptidão individual para certas áreas académicas ou carreiras profissionais. Quanto mais aprendermos sobre a inteligência, melhor entenderemos como ajudar os indivíduos a aperfeiçoar o seu potencial e a sua capacidade intelectual”. Revista Scientific American – por Richard J. Haier

Inteligências Múltiplas é a teoria desenvolvida a partir da década de 80 por uma equipa de investigadores da Universidade de Harvard, liderada pelo psicólogo Howard Gardner, que procurava analisar e descrever melhor o conceito de Inteligência.

Gardner afirmou que o conceito de inteligência, como tradicionalmente definido em psicometria de Quociente de Inteligência (QI), não era o suficiente para descrever a grande variedade de habilidades cognitivas humanas. Desse modo, a teoria afirma que uma criança que aprende a multiplicar números facilmente não é necessariamente mais inteligente do que outra que tenha habilidades mais fortes noutro tipo de inteligência.

Uma criança que leve mais tempo para dominar uma multiplicação simples pode aprender melhor a multiplicá-la tendo acesso a uma abordagem diferente.

O autor, supracitado, refere que não é por alguém dominar alguma área que deve ser considerado mais inteligente do que o outro. Pois, que apesar desse individuo poder não ser ágil em cálculos, pode ser capaz de compreender as intenções, motivações e desejos dos outros, e com isso ter uma carreira bem sucedida.

Inteligência lógico-matemático vs Inteligência emocional

Gardner define a Inteligência Lógico-Matemática como a capacidade de confrontar e avaliar objectos e abstracções, discernindo as suas relações e princípios subjacentes, e habilidade para raciocínio dedutivo bem como para solucionar problemas matemáticos; os cientistas, na sua maioria, possuem esta característica. Já a Inteligência Emocional é a capacidade de compreender as intenções, motivações e desejos dos outros e com isso ter uma carreira bem sucedida. Devemos lembrar que uma das primeiras nomeações ao termo de Inteligência Emocional reporta-se a Charles Darwin, que numa das sua obras referiu a importância da expressão emocional para a sobrevivência e adaptação.

No quadro abaixo, segue as principais características das Inteligências Lógico-Matemático e Emocional: (clique na imagem para ver melhor)

quadro I - janela da vida

Embora as definições tradicionais de inteligência enfatizem os aspectos cognitivos, como memória e resolução de problemas, vários investigadores de renome no campo da inteligência estão a reconhecer a importância de aspectos não-cognitivos.

Outro pesquisador, também reputado nesta matéria de Inteligência Emocional, Daniel Goleman, referiu que devemos saber controlar as nossas próprias emoções e refuta a tese que a capacidade intelectual é um fator fundamental para o sucesso, seja ele profissional ou académico.

Goleman quis provar que o controlo emocional de uma pessoa é o que vai determinar a sua inteligência. Para chegar a este nível é necessário trabalhar toda a insolvência emocional, nomeadamente desde a infância. É importante que a criança tenha uma infância tranquila e estimulante, assim como considerar-se as aptidões individuais e a adequação às áreas que desenvolve mais rapidamente.

Acresce a necessidade de adequação de programas específicos, utilizando estas mesmas áreas para desenvolver todas as outras menos desenvolvidas. É neste ponto que se relacionam os conceitos de Inteligência Lógico – Matemático e Emocional, pois nada adianta ser um génio da matemática se não souber lidar com suas emoções.

Gardner, Psicólogo da Universidade de Harward, propõe “uma visão pluralista da mente”, ampliando o conceito de inteligência única para o conceito de capacidades múltiplas.

Para o autor, a inteligência é a capacidade de resolver problemas ou elaborar produtos valorizados num ambiente cultural ou comunitário. Assim, propôs uma nova visão da inteligência, dividindo-a num primeiro momento em sete diferentes competências que se interpenetram, pois sempre agilizamos mais de uma habilidade na solução de problemas, sendo elas a Inteligência Verbal ou Linguística, a Inteligência Lógico – Matemática, a Inteligência Cinestésica Corporal, a Inteligência Espacial, a Inteligência Musical, a Inteligência Inter pessoal, a Inteligência Intra pessoal.

Estas duas últimas serão aqui agrupadas como Inteligência Pessoal. Segundo Gardner, todos os indivíduos nascem com grande potencial nas várias inteligências.

A partir das relações com o meio ambiente, social e pessoal, algumas competências são mais desenvolvidas ao passo que deixamos de aprimorar outras.

Nos anos 90, Daniel Goleman, também psicólogo da Universidade de Harward, veio afirmar que ninguém tem menos que 9 inteligências. Além das 7 citadas por Gardner, Goleman acrescenta mais duas: a Inteligência Pictográfica e a Inteligência Naturalista.

Inteligência Verbal ou Linguística: habilidade para lidar criativamente com as palavras, tanto na expressão oral como escrita; possivelmente é a mais fácil de se compreender em uma pessoa, pois a forma de comunicação verbal é um modo de expressão das habilidades de cada um; este tipo manifesta-se em escritores, oradores, políticos, formadores, professores, pessoas que elaborem relatórios, cartas comerciais, petições judiciais, e outros documentos que exijam uma clara redacção do texto.

Inteligência Lógico – Matemática: competência para desenvolver e ou acompanhar sequências de raciocínios, resolver problemas lógicos, capacidade para solucionar problemas envolvendo números e demais elementos matemáticos; não está relacionada apenas com cálculos, mas também com a resolução de problemas que envolvam a lógica e ou raciocínio lógico; habilidades para raciocínio dedutivo; este tipo manifesta-se em matemáticos, engenheiros e físicos, mas também em advogados de defesa aquando da defesa do seu cliente.

Inteligência Cinestésica Corporal: capacidade de usar o próprio corpo de modo diferente e hábil, na expressão corporal, bem como na resolução de determinados problemas que exijam a intervenção do próprio corpo; exemplo os atletas, mímicos, dançarinos, pugilistas, jogadores de futebol (não só o pé mas também o corpo).

Inteligência Espacial: noção de espaço e direcção, capacidade de extrapolar situações espaciais para o concreto e vice-versa., possuindo grande percepção e relacionamento com o espaço; são exemplo deste tipo os arquitectos, navegadores, cirurgiões, quem tem uma boa orientação no espaço aqueles que não se perdem em uma cidade quando a conhecem ou se orientam bem em um mapa.

Inteligência Musical: capacidade de organizar sons de maneira criativa; de interpretar, escrever, ler e expressar-se pela música; as pessoas que gostam de oferecer música ou que associam-na a determinadas fases da sua vida possuem esta inteligência emocional mais desenvolvida, bem como todos os compositores alguns muito famosos, e quem toca por ouvido sem conhecer a partitura.

Inteligência Pessoal: aqui são englobadas os dois tipos de Gardner:

Inteligência Interpessoal: habilidade de compreender os outros; a maneira de como aceitar e conviver com o outro; comunicar de forma adequada com os outros, motivando-os, incentivando-os e dirigindo-os, temos os exemplos de alguns professores, líderes, psicólogos, médicos, etc.

Inteligência Intrapessoal: capacidade de relacionamento consigo mesmo, autoconhecimento, de entrar em contacto com o seu próprio “eu”, de se auto avaliar e reconhecer os seus pontos fortes e fracos, capacidade de descrever os seus próprios sentimentos e emoções. Habilidade de administrar seus sentimentos e emoções a favor de seus projectos. É a inteligência importante para a auto – estima devido à importância do conhecimento de si mesmo; conhecendo os pontos fortes e fracos reconhece-se as falhas e pode-se adoptar um melhor comportamento.

Inteligência Pictográfica: habilidade que a pessoa tem de transmitir uma mensagem pelo desenho que faz; pela arte, grafismo, e da resolução de problemas por esta via de comunicação; esta inteligência encontra-se mais desenvolvida em crianças que não sabem ler, modo de se manifestarem, posteriormente poderão perder com a aprendizagem da leitura e escrita; génios da pintura e obras de arte são exemplo desta inteligência.

Inteligência Naturalista: capacidade de uma pessoa em sentir-se como um componente natural, de distinguir as diferenças no campo da natureza, reconhecendo, respeitando e estudando outros tipos de vida; temos os biólogos, ecologistas, naturopatas, homeopatas ou outros que gostem utilizar os proveitos da natureza.

Nota: todo este conjunto de questões são apenas uma referência para perceber como reage e qual o tipo de inteligência que poderá ter mais desenvolvida no seu caso de um ponto de vista muito genérico. Deverá recorrer a um profissional da área da Psicologia Clinica para que este o possa esclarecer melhor sobre este tema e promover uma melhor orientação na exploração do mesmo.

Fonte: https://patriciamoreira.pt/inteligencias-multiplas-qual-a-sua/